O que os índios modernos vendem para ganhar dinheiro?

Índios – ainda hoje desconhecidos sabem como ganhar dinheiro com as suas atividades.

Faz mais de 500 anos que os índios viram, em suas terras, a chegada dos portugueses – os homens brancos que mudariam suas vidas para sempre. Nessa época foi muito difícil para os povos se entenderem. Apesar de toda a curiosidade por ambas as partes, houve também hostilidade, principalmente quando os portugueses tentaram forçar os índios a trabalhar.

Desde essa época, livros históricos, pinturas e relatos europeus mostravam os índios como preguiçosos, primitivos e selvagens. Essa imagem deturpada perdurou por muitos anos no imaginário ocidental, inclusive dos próprios brasileiros.

Como a população indígena foi sendo gradualmente reduzida, menos e menos via-se os índios. Os que conseguiram áreas reservadas podiam organizar as aldeias como pudessem, muitas delas às beiras de rios como o São Francisco.

A imagem indígena conseguiu ser mudada, em certa proporção. Em vez de selvagens preguiçosos, ganharam a imagem de guardiões da natureza, da floresta e dos animais.

O problema é que, ainda, os índios são vistos como personagens distantes e folclóricos. E, não à toa, são esquecidos enquanto seres que vivem seu dia a dia. E aí você se dá conta e pergunta: como os índios vivem hoje em dia?

A vida dos índios

A vida de cada tribo sempre vai variar muito. Varia, pois há uma junção de fatores únicos: os costumes tradicionais preservados de cada tribo; a história pela qual a tribo passou; quais os conflitos e mudanças em sua trajetória; sua geografia, histórica e atual; e como foi seu contato com os homens brancos, do início até hoje.

Qualquer um pode imaginar que uma área tão pequena reservada para as famílias, nas aldeias, não vai conseguir proporcionar todo o alimento que uma aldeia necessita. É aí que os índios brasileiros passam a outras atividades econômicas.

Atividades indígenas

Apesar de existirem em maior quantidade na região do Amazonas e no Mato Grosso do Sul, os índios estão presentes em todo o país, inclusive nordeste, norte e até São Paulo.

A lavoura é uma forte atividade para os índios, e em muitos casos, quando perto da água, a pesca também.

Os índios continuam caçando, pescando e cultivando a terra. No entanto, isso é feito de forma bem reduzida, e apenas para seu sustento. São poucas as aldeias que usam atividades como a pesca para vender e ganhar dinheiro, ou mesmo trocar por alimentos e objetos necessários com pessoas de fora.

Dessa forma, como os índios não conseguem se manter apenas com a coleta de alimentos (frutas e castanhas), caça, pesca e a agricultura, eles comumente saem da aldeia para ganhar dinheiro e retornar.

Apesar de alguns índios trabalharem temporariamente para fazendeiros ou outros serviços, eles geralmente se dedicam mais a vender o que produzem.

A venda de artesanato indígena

Um ponto comum entre os índios é o artesanato. Como sempre foi tradição das tribos, os índios recolhem matéria-prima da natureza para fazer de tudo, de utensílios a obras de arte, como esculturas.

Essa é a maior fonte de renda para muitas aldeias indígenas. Com o artesanato eles conseguem dinheiro para comprar alimentos que faltem e qualquer outra coisa que a aldeia esteja precisando.

O artesanato costuma ser bastante variado, em uso e aparência, e também em preço. Alguns são pequenos e baratinhos, outros mais trabalhosos e caros.

Os índios fazem cachimbos, maracas, flechas, esculturas, apitos, colares e pulseiras, arcos, brincos, cocares, utensílios de cozinha, cerâmica e filtros de sonho, entre muitos outros.

As peças são feitas de sementes, cascas de frutas (como o coco), pedras, penas, plantas e o que mais houver disponível na região.

A jornada

Vender o artesanato não é fácil. Os índios precisam trabalhar constantemente no ofício e produzir muitas peças.

Existem aldeias que produzem mais de mil peças num só ano!

Como perto de onde moram as vendas são limitadas, é comum que alguns índios fiquem com a função de sair pelo país para vender. É uma jornada especialmente longa em alguns casos, com viagens do Sudeste ao Nordeste, passando ainda pelo Distrito Federal e pelo Norte.

Muitas vezes os índios que mais produzem o artesanato são os que viajam para vender. Assim, continuam trabalhando e fazendo novas peças durante a viagem.

Em alguns casos, tribos inteiras viajam, como ciganos, parando de cidade em cidade para vender seu artesanato em ruas e praças. Existem feiras que estimulam os índios a mostrar sua cultura e ganhar dinheiro, como foi o caso da Feira de Artesanato da Copa do Mundo. Assim, os índios puderam aproveitar o turismo internacional excepcional da época para impulsionar as vendas. A feira durou cerca de 30 dias, durante os quais os índios ficaram longe de casa.

A importância do artesanato

O artesanato é parte forte da cultura indígena. Passado oralmente de geração para geração, o ofício é uma forma de se expressar, mas também de facilitar a vida. Não podemos nos esquecer de que os índios faziam todos os seus recipientes e utensílios muito antes da chegada dos portugueses!
Hoje em dia o artesanato é ensinado para as crianças nas escolas especiais das aldeias. É comum que ninguém estude fora de sua tribo até certa idade – em alguns casos, apenas a partir do Ensino Médio.

Assim, todos conseguem seguir as tradições ensinadas pelos seu ancestrais, e contribuir financeiramente para o bem da comunidade.