Quais as atividades exercidas dentro de uma tribo indígena

A questão indígena no Brasil atual

Basta ler um pouco de revistas e jornais para saber que a situação indígena atual é complicada. Sempre na luta por conseguir seus direitos e não perder suas terras para grandes indústrias e barões do agronegócio, os índios reivindicam que suas terras permaneçam intocadas – e suas.

O objetivo é que se mantenha o máximo possível de sua cultura de antes da chegada do homem branco. Embora possa parecer impossível, muitas tribos conseguem manter vários de seus costumes. A relação fortíssima de respeito e troca com o meio-ambiente é parte inerente da cultura de todos os índios.

Por isso que ter uma terra reservada e sem influências do resto do país é tão importante. Assim, eles conseguem manter sua cultura e também exercer suas atividades econômicas.

E aí você pode se perguntar: mas como os índios vivem, hoje em dia? Quais as atividades que as tribos têm?

As atividades econômicas dos índios hoje em dia

Para começar, isso varia muito de tribo para tribo, aldeia para aldeia, região para região. E até de pessoa para pessoa. Hoje em dia é muito comum índios deixarem suas terras (voluntariamente ou forçados pela indústria) e irem aos centros urbanos em busca de educação. Isso, claro, os torna qualificados para qualquer emprego que os brasileiros atuem.

Mas é interessante observar as tribos que conseguem se manter em suas raízes. Várias, como os guajajara, conseguem inclusive manter sua subsistência a partir da agricultura e pesca – como sempre tinha sido.

É muito comum que os índios continuem a plantar o que seus ancestrais sempre passaram adiante, como mandioca, milho, feijão ou abóbora. O plantio varia de cultura, mas também da região de cada tribo, cada uma com solo mais adequado para certos tipos de alimentos.

As comunidades costumam ainda pescar e caçar. Embora a caça seja mais para a subsistência, a pesca pode ser tanto para a tribo quanto para fins comerciais.

Como os índios se relacionam de forma profunda com o meio ambiente, eles se adaptam ao lugar onde moram. Tribos ribeirinhas naturalmente pescam mais, tendo nessa atividade sua principal forma de ganhar dinheiro. É interessante que muitos índios, embora ganhem dinheiro, ainda trabalham muito na base da troca. Troca do que plantaram, do que pescaram, pelo que precisam no momento.

Outra atividade muito comum e presente em diversas tribos é o artesanato e a cerâmica. É uma das principais formas de conseguir dinheiro, especialmente nos locais com muito turismo, ou mesmo para tribos que recebam mais visitantes de fora.

A coleta também é muito importante para os índios. Coleta significa tudo o que eles pegam pelo ambiente, como castanhas e frutas. É uma atividade forte de troca e venda. A castanha do Pará, por exemplo, é muito forte na alimentação e culinária de indígenas da região. Mas os índios da região são os principais coletores para venda em menores escalas, então a castanha é também fonte de renda.

Os índios também prestam serviços como trabalhadores temporários, geralmente braçais. Isso pode ser em fazendas ou outros trabalhos disponíveis perto de sua região de habitação.

A relação com a terra

Pelo que foi descrito até aqui, é fácil perceber como as tribos indígenas são profundamente apegadas à terra. Originalmente, os índios eram um meio-termo entre nômades e sedentários. Eles passavam um tempo estabelecidos numa região, cultivando o solo e caçando, até o momento em que os recursos ficassem mais escassos.

Eles então abandonavam a terra, deixando-a se recuperar naturalmente, passando para outra mais abundante. Não havia pobreza e escassez na vida dos índios dos séculos passados – o Brasil era uma terra abundante e exuberante.

Hoje, com o aumento de indústrias como a madeireira e a agropecuária, os índios se encontram cada vez mais encurralados. Quando a terra fica escassa, eles não são capazes de continuar o ciclo de seus ancestrais, já que não têm direito a nenhuma outra terra.

Por isso, naturalmente, acabam prestando serviços e se relacionando mais com a cultura do resto do Brasil, seja vendendo artesanato e cerâmica para turistas, seja como trabalhador braçal.

E, assim, vão se afastando ainda mais de sua cultura antiga.